A Seita | religião para controlar as mentes, forças armadas para coagir e cobaias para cloroquina

Bolsonaro nunca teve um plano de governo, tudo foi improvisado e inspirado no nazismo; das mensagens lidas ou escritas por secretários, até subliminares, para alimentar o ódio pelas minorias. É um governo antissocial que despreza a vida, anticientífico e fraudulento, que exclui o povo para privilegiar os militares, usá-los como milícias e lideres religiosos para fazer o serviço de propaganda.

Não existe um plano de governo, mas existe um projeto de poder a ser implantado através da coerção ou força bruta; Daí os privilégios dos militares para usá-los como polícia política. Os benefícios de R$ 600,00 para militares não foi um erro, mas uma tentativa do ‘vai que cola’, para tê-los nas mãos. A negação da ciência é uma forma de privilegiar os religiosos aliados.

Bolsonaro quer um ministro anticiência para fazer valer os seus palpites sobre o uso de cloroquina como uma solução contra o Covid-19, mesmo indo de encontro as recomendações dos órgãos de saúde do mundo inteiro. Por que tanta insistência? A explicação pode está no fato de o empresário que produz a cloroquina ser militante bolsonarista. Trump também defendia abertamente o uso da cloroquina, até se descobrir que ele tinha participação lucrativa na fabricação do medicamento.

No Brasil, além de Bolsonaro, secretários que não são médicos e os filhos do presidente, são os maiores defensores; porque tanto interesse? Parece que a negligência com a saúde do povo e o decreto para o fim do isolamento social tem o proposito de contaminar a população e usá-la como cobaia.