fbpx

Bilhões em armamentos e a importação da ‘gripezinha’ dos Estados Unidos pela comitiva do presidente

O Presidente Jair Bolsonaro bajula os Estados Unidos, afronta o maior parceiro comercial do país, sem o qual, enfrentará uma crise econômica sem precedentes, além de se isolar para o resto do mundo. Abriu as portas para o Coronavírus importado pela sua comitiva, nos Estados Unidos. Considerava a princípio, como “uma gripezinha”, apesar dos alertas da OMS (Organização Mundial da Saúde), preferiu investir pesado em armamentos.

Em 05 de Março, mês do auge da pandemia do Coronavírus no mundo, a Marinha do Brasil formalizou um contrato de R$ 9,1 bilhões na compra de quatro avançadas fragatas da nova classe Tamandaré. No dia 08, o governo de Jair Bolsonaro assinou um acordo militar bilateral com os Estados Unidos, para desenvolvimento de projetos que podem dar acesso ao Brasil a um fundo de desenvolvimento de tecnologia para defesa que chega a US$ 100 bilhões. A assinatura aconteceu no quartel-general do Comando Sul dos Estados Unidos, nas proximidades da cidade de Miami (Flórida, Estados Unidos).

O verdadeiro objetivo dos americanos é armar o país para fazer pressão contra a Venezuela, que nunca foi uma ameaça para o Brasil e lucrar com tudo isso. Somos um país pacífico, que nunca precisou de tal investimento bélico, pois não temos um inimigo potencial. Ao contrário, a diplomacia brasileira sempre foi bem-sucedida até o governo Dilma, portanto, não há justificativa para tais investimentos. A “gripezinha” do presidente, importada por ele e sua comitiva, dos Estados Unidos, virou uma pandemia nacional, que terá consequências sem precedentes. Protejam-se!