Cartas na manga – Moro está municiado para o confronto e já aterroriza a ‘família’ e sua trupe

Parece que o ex-juiz Sérgio Moro descobriu com quem estava lidando, assim que assumiu a Pasta do Ministério da Justiça e tratou de se precaver, guardando os áudios e textos das mensagens trocadas com o presidente. Todo esse material vai servir de prova documental contra Jair Bolsonaro, durante as investigações que serão iniciadas a pedido do procurador-geral da República, Augusto Aras, ao Supremo Tribunal Federal (STF), nesta sexta-feira (24). Entre outras providências, o chefe da PGR solicita ao Supremo uma oitiva com Sérgio Moro.

As acusações são mutuas e Moro pode ser acusado de prevaricação por não ter agido mesmo sabendo dos crimes do seu chefe; talvez devido a promessa pela vaga no Supremo, negociada durante o Segundo Turno da campanha para presidente em 2018. A adesão de então juiz e herói da Lava Jato foi o fator decisivo na eleição. A promessa da vaga no Supremo foi confirmada pelo próprio Bolsonaro durante uma entrevista na Band News.

Hoje, dia 24, durante a coletiva à imprensa, Bolsonaro falou que Moro havia lhe cobrado a vaga no Supremo, durante o episódio envolvendo o diretor-geral da PF, mas negou que foi promessa de campanha, também negado pelo ex-juiz. Felizmente, a verdade fica doente mas não morre, como disse lula; finalmente ela começa a vir a tona com força. As denuncias feito por Moro contra Bolsonaro são graves, mas desde sempre soube que se tratava de um governo miliciano e deve responder por isso.

Enquanto isso, Moro começa a ser fritado pela Milicia Virtual do “Gabinete do Ódio” e a Bancada da bala através do deputado Capitão Augusto (PL-SP), líder do grupo anuncia rompimento com Bolsonaro.