O terraplanismo e o ‘patriotismo’ patético do profeta do caos na ‘República das Bananas’

O que choca no atual governo é o cinismo e o despreparo do presidente que transformou um país que tinha o seu espaço no cenário internacional, em uma ilhada República das Bananas. Não temos diplomacia e formos reduzidos a meros vassalos subservientes, com o governante ostentando a bandeira do imperialismo em uma vergonhosa atitude de bajulação desprovida de sentido.

Não nos restou mais nada; perdemos o orgulho, a autoestima como povo, nação e somos governados por terraplanistas da extrema direita. O terraplanismo é um movimento baseado em teorias conspiratórias, mas aplicado aos seguidores da seita bolsonarista, têm um significado diferente da antiga cosmologia; neste caso específico, é a falta de raciocínio lógico, ou seja, sem o menor critério ou senso crítico.

O terraplanismo intelectual do bolsonarismo é maniqueísta, por isso, precisa de inimigos para poder existir. Ele inventa inimigos internos, mas o maior inimigo da seita bolsonarista é a imprensa, que por ironia, contribuiu para eleição do Bolsonaro, aquele que manda jornalistas calarem a boca para não questioná-lo pelas ações e disparates absurdos, como por exemplo; aparelhar o Estado para proteger aliados políticos e perseguir quem não reza segundo a sua cartilha.

Imagine um país cujo presidente fala em patriotismo, mas age como um reles vassalo subserviente, fala em democracia, mas promove e participa de atos antidemocráticos e, manda jornalistas calarem a boca. Se bastasse esse cenário surreal, ciência é trocada por crenças medievais, pessoas que odeia negros à frente de entidade que deveria protegê-los; pessoas que são contra os Direitos Humanos, à frente dessa entidade. Estamos no fundo poço.